Plano de Aula – Grupo 1

Módulo 3 – Atividade:

 

Plano de aula

mão

Conteúdo: Equações do 1º grau.

Público-alvo: 6ª série/ 7º ano.

Objetivo: Resolver equações do 1º grau simples usando letras para representar valores desconhecidos , relações entre grandezas e regularidades de forma organizada  e intencional, interpretando, relacionando e observando a linguagem corrente e a transformando em sentença matemática.

Habilidades:Escrever expressões algébricas correspondentes a textos matemáticos em linguagem corrente e vice-versa.

Competências: Compreender e  Realizar.

Tempo : 20 aulas.

Estratégias:

– Professor ( mediador dos problemas )

– Promover atividades em grupo relacionando situações do cotidiano.

-Incentivar debates entre os grupos das diferentes situações por eles elaboradas e apresentadas.

Recursos:

– Livro didático

– Caderno do aluno e do professsor

– Giz, lousa, amor e humildade.

Avaliação: Acompanhamento individual do aluno durante as atividades propostas em grupo ou individuais, para identificação de possíveis dificuldades.

Recuperação Contínua: Retomada dos conceitos em novas situações.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O fato de sermos professores de matemática e passarmos a maior parte do tempo envolvidos com os cálculos não nos fez perder o interesse e o gosto pela leitura, pois compreendermos que ler é ampliar conhecimento. Segue abaixo o relato de nossas primeiras experiências de contato com a leitura:

“Sempre fui aluna de escola pública estadual, lembro do primeiro livro que ganhei: “O Peixinho Valente” foi a professora da segunda série primária quem me deu. Guardei-o por muitos anos, quantas vezes o reli. Minha professora estava sempre com um penteado elaborado no alto na cabeça e eu a achava muito sofisticada. Era ainda um tempo em que os professores tinham algum status. É, faz tempo…

Aos nove anos  achei um romance que falava sobre uma jovem italiana que se apaixona por um soldado inglês e o li escondida, ainda lembro de quase toda a estória. Interessante lembrar de tantos detalhes até hoje, de alguns lidos no ano passado não recordo tanto. Acredito que com o passar do tempo, tiramos do livro aquilo que nos ajuda a melhorar e deletamos o resto.

Lembro também das redações, começava e nunca conseguia terminar, enredava a estória e nada de dar fim a ela. Sempre achei complicado encontrar um desfecho que me agradasse.

Hoje, por falta de tempo, leio o que gosto e dá tempo; o que preciso, mesmo sem tempo; ouço os noticiários para estar  atualizada e escrevo muito pouco. Minha filha sempre me fala pra fazer um blog, mas, escrever sobre o quê? Quem sabe…” – INES APARECIDA DOS SANTOS GENARO

“Sou de familia muito simples fui criado na roça , meus se separaram quando eu e meu dois irmãos nasceram, fui criado pela minha avó e meus tios. Meus tios não tem estudos, eles só ler e escrever e nem acabaram o fundamental I, meus pais também cursaram o primário, naquela época , eles tinham apenas que trabalhar, mas colocaram eu e meu irmão na escola, com poucos recursos, mas fomos aos poucos , passando de série a série, mas com poucos recursos, quando acabei o fundamental II, parei de estudar 2 anos, posi tinha que trabalhar , para ajudar a sustentar a casa.

Quando resolvi a voltar a estudar, terminei o 2 grau e fiz minha inscrição no ultimo dia , para prestar vestibular, passei entre os primeiros , meu sonho era ser médico, mas não tinha grana para isso, meu formei em matemática, comecei a dar aula em 1994, fui escolhido o melhor em matemática em minha turma e ganhei 50% de desconto na mensalidade, para uma pessoa simples e um grande orgulho.
Para ser sincero não gosto de ler, prefiro mais fazer contas, le r me cansa e me dá sono sou muito impaciênte, mas quando preciso , tenho que me esforçar o máximo.
Admiro pessoas que gostam de ler, ler enrriquece o vocabulário, que le muito, acho que escreve bem. Os livros que tenho é de matemático, pois é minha paixão, onde pesquiso com frequência.” – VALDENIR ANGELO MOSQUINI
“O contato com os livros e o gosto pela leitura foram despertados no ambiente familiar, pois meu pai tinha o hábito de ler . Todos os dias ao voltar do trabalho trazia consigo jornais que lia atentamente e sempre comentava conosco sobre tudo que havia lido. Ele era pintor de paredes,era comum ao começar um serviço em residências recém desocupadas, encontrar livros que tinham sido deixados pelos antigos moradores em meio a outros objetos descartados cujo destino era o lixo;alguns em bom estado, outros nem tanto, mas vinham para casa. Arrumava todos com uma delicadeza que só quem conhece o valor da leitura teria.

Essas atitudes fizeram com que eu e meus irmãos desenvolvessemos interesse pela leitura e assim reconhecessemos as primeiras regras gramaticais, expandissemos vocabulário e iniciassemos as primeiras redações.” – ANUNCIATA APARECIDA RIBEIRO MARCILIO

               “Ler é fundamental para qualquer civilização, pois a leitura transforma as pessoas nas diversas fases da vida, contribuindo para o desenvolvimento pessoal, profissional e cultural.

               Lembro da minha primeira experiência na leitura, os chamados “Gibis”, colecionava e trocava em bancas, com certeza contribuiu para gostar de ler.
           Ler e escrever, faz com que agente viaje, pense, organize e reorganize em nossa mente, mediante as palavras do autor, ou mediante as nossas palavras, e até mesmo viver um momento ilusório dessa leitura ou escrita.  Todos os depoimentos, foram de extrema importância, pois  agregam valores pessoais e culturais. Infelizmente, a Televisão, a internet, faz com que as pessoas deixam de ler e escrever de outra forma, contribuindo para uma preguiça mental.” – Miguel Angelo Valero Priivtera
“Hoje na educação, sabemos que devemos entra no mundo dos alunos, com suas evoluções, tecnologia, facilidades, onde em questão de segundos, surge a informação, onde para acompanhar a rapidez reduziu-se as palavras, abreviaram certos dizeres, mas que criaram uma forma de comunicação e interação entre os navegantes….
 
Quanto aos livros, sábios e veneráveis livros, continuarão a existir (graças a Deus), e serão num futuro próximo (quem sabe), interagidos com os computadores, numa harmonia que talvez leve os povos a lerem mais de outra maneira.
 
Desculpem por não me apresentar antes,….Acompanhei, e passei por muitas mudanças na educação, bem como nas metodologias…..Desde a palmatória, até o paternalismo dos dia atuais, nunca tive muitos problemas com a gramática….Talvez pela profissão, pois durante muitos ano trabalhei na imprensa, onde aprendi e gostei de saber as mudanças da gramática, com isso peguei gosto pela leitura, hoje, estou relaxado, pois só leio artigos acadêmicos e deixei de lado a leitura maravilhosa dos livros
abraços e boa sorte a nós todos” – jose antonio marques